segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O medo e o não-medo .

Seu maior medo era também o seu menor. Sentia medo de muitas coisas, sentia medo de tudo e muitas vezes se via sem medo de nada. Seguro, irredutível. O medo de errar é natural, porém, ele não o possuía por inteiro. Fazia o que achava certo, o medo o bloquearia. Ter medo era negar a coragem e sua coragem é absolutamente invejável. Ele tinha coragem de errar, tinha coragem de largar seu orgulho e de se mostrar frágil. Assumia seus sentimentos, não os mascarava, pois mascará-los seria ter medo de demonstrá-los, e desse pecado ele não padeceria. Não tinha medo de ter medo e ter que assumir. É óbvio que temia o homem armado, o animal selvagem, o carro em alta velocidade, a morte, a solidão. Mas não é desse medo que falo. Falo de um medo mais profundo, um medo sutil, porém arrasador, que não consigo explicar, nem eu e nem ele, pois não o conheço muito a fundo e, ao mesmo tempo, o conheço profundamente.

6 << Comentário >>:

Almyr Rodrigues disse...

Seu maior medo era 'ser' menor...

Karol Coêlho disse...

É uma possibilidade... :)

Erique Duarte disse...

Muito bom o texto "I Like" :D

nemeuseidireito disse...

O medo de deixar o medo dominar-lo é o q o fazia ter uma coragem tão grande

luizmariano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
luizmariano disse...

Muito bom o texto "I Like" :D (2)

Tecnologia do Blogger.
 
;